sexta-feira, 5 de maio de 2017

Alguns eventos em 2017




I Seminário Internacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual: Dispositivos e Artefatos / Narrativas e Mediações. Montevidéu, Uruguai: UDELAR, 23 a 25 de outubro de 2017. Envio de trabalhos até 14 de julho. http://seminarioculturavisual.enba.edu.uy
I Seminário Internacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual: Dispositivos e Artefatos / Narrativas e Mediações
Montevidéu, Uruguai: UDELAR, 23 a 25 de outubro de 2017. Envio de trabalhos até 14 de julho.
http://seminarioculturavisual.enba.edu.uy

O I Seminário Internacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual é um evento aberto à participação de pesquisadores e estudantes de pós-graduação em arte, cultura visual e áreas afins.
Inicialmente com abrangência apenas local e regional, o evento, realizado anualmente desde 2000 pelo programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual da Universidade Federal de Goiás (GO, Brasil), tornou-se nacional em 2008. Com a denominação “Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual” foram realizadas oito edições (2008-2015). A partir desse ano, em parceria com a UDELAR, o seminário passa a ser realizado anualmente em locais alternados: Montevideo e Goiânia, passando a denominar-se “Seminário Internacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual”.
Nesta edição, a primeira de caráter internacional a realizar-se em Montevidéu (Uruguai), o seminário reúne pesquisas referentes a três linhas do Programa de Pós-graduação em Arte e Cultura Visual (FAV-UFG) e a linhas afins ao Núcleo de Pesquisa em Cultura Visual, Educação e Construção de Identidade (IENBA-UDELAR). A Edição terá como temática Dispositivos e Artefatos / Narrativas e Mediações, onde serão analisados tanto o impacto no uso das tecnologias, como os relatos e as atuações entre as pessoas e os objetos, sempre na perspectiva contemporânea de pesquisa em Arte e Cultura Visual.
Neste sentido, o evento será orientado, principalmente, às metodologias e objetos de pesquisa em relação às formas de realizar pesquisa em Arte e Cultura Visual, favorecendo a compreensão e a divulgação de métodos e resultados de trabalhos que incluem a utilização das tecnologias do visual. Estas tecnologias, presentes nas narrativas e nas poéticas da produção contemporânea, intervêm de maneira privilegiada nas relações entre as pessoas, mas também produzem novas maneiras de usos e recursos cotidianos. (Fonte: UFG/UDELAR)


V Colóquio Nacional Michel Foucault: A Arte Neoliberal de Governar e a Educação. Uberlândia, MG: UFU, 2 a 4 de agosto de 2017. www.cnmf.faced.ufu.br
V Colóquio Nacional Michel Foucault: A Arte Neoliberal de Governar e a Educação
Uberlândia, MG: UFU, 2 a 4 de agosto de 2017

(Participei com a comunicação "Arte em Movimento entre Linguagens: Um Questionamento Disciplinar".)

"Michel Foucault, no início da década de 1970, começa a se interessar e a se ocupar, em suas pesquisas, com a atuação do poder sobre os corpos e sobre a vida na sociedade ocidental. Seu empreendimento de análise remonta aos percursos das várias tecnologias de poder a partir do século XVII até a sofisticada constituição da estrutura política contemporânea, demarcando o eixo genealógico de sua obra, no qual há a indagação sobre as relações mantidas através de estratégias e táticas de poder na produção de saberes e como o sujeito se constitui nessa articulação poder-saber.
No desenvolvimento desse eixo genealógico, a partir da trilogia dos cursos Em defesa da sociedade (1975-1976), Segurança, território, população (1977-1978) e Nascimento da biopolítica (1978-1979) desenvolvidos no Collège de France, Foucault provoca um certo deslocamento ou mesmo uma ampliação de sua analítica do poder, perfazendo uma incursão na reflexão acerca do Estado, como governo sob forma política, tematizando as artes de governar.
Dessa forma, há o acoplamento na analítica do poder, de outros domínios, de outros conjuntos de práticas e também de outras instâncias, de sorte que o domínio do corpo e das instituições, adstrito à tecnologia disciplinar é ampliado para o domínio da vida dos homens e de sua gestão, numa estratégia biopolítica de regulação da vida.
Na problemática descortinada pela biopolítica, inscreve-se a noção de governamentalidade como umEstado de governo que tem seu ponto de incidência na população e que Foucault mobiliza para a compreensão da relação Estado-população, entendendo a governamentalização do Estado como um problema da modernidade e que traz os próprios limites e sobrevivência da política estatal como algo que só pode ser compreendido a partir de técnicas e táticas gerais de poder ligados ao modo de condução da vida dos homens.
Trata-se de dimensionar o Estado no inventário da problemática do governo através da análise dos mecanismos de segurança na percepção de questões específicas da população, o que consubstancia a série segurança-população-governo, tendo como desdobramentos o estudo do liberalismo e dos neoliberalismos como artes de governar.
É no jogo entre população e indivíduo, entre regulação e disciplina, por assim dizer, que são engendradas práticas sociais, configurando e reconfigurando instituições na imanência dessas mesmas práticas sociais que têm na governamentalização do Estado seu ancoradouro e, paralelamente, seu escoamento, uma vez que a própria governamentalidade é a um só tempo, interior e exterior ao Estado.
A problemática da governamentalidade assinala a entrada da questão do Estado no campo da análise política dos micropoderes, de modo que a gestão dos processos biossociológicos das massas humanas envolve os aparelhos do Estado, o que permite compreender a arte neoliberal de governar como forma de racionalidade própria dos dispositivos de regulação biopolítica no tempo presente.
O campo educacional, certamente é um locus em que essa racionalidade neoliberal, assim como práticas fundamentadas nessa racionalidade, entendida como um modo de vida, ganha cada vez mais espaço na atualidade. A escola decifrada pela forma econômica do mercado, por sua vez, funciona como um aparelho de biorregulação produzindo subjetividades individuais e sociais emaranhadas no modo de vida neoliberal, conectando-se a mecanismos que atuam em defesa da sociedade como se encontra montada.
Pro isso, a realização do V Colóquio Nacional Michel Foucault, elegendo como temática a arte neoliberal de governar e a educação, constitui um importante espaço para a problematização sobre os efeitos da função da educação dirigida pela lógica neoliberal, assim como, para a reflexão acerca de sua potência de criatividade e resistência aos códigos de inteligibilidade do mercado, especialmente nesse momento histórico que nos atravessa" (Fonte: FACED-UFU).

VII Seminário Conexões: Deleuze e Cosmopolíticas e Ecologias Radicais e Nova Terra e… Campinas, SP: Unicamp, 27 a 29 de novembro de 2017. http://seminarioconexoes2017.hotglue.me
VII Seminário Conexões: Deleuze e Cosmopolíticas e Ecologias Radicais e Nova Terra e…
Campinas, SP: Unicamp, 27 a 29 de novembro de 2017
http://seminarioconexoes2017.hotglue.me

(Participarei com a proposta "Poéticas no “entre”: sobre narrativas menores e/ou fabulações e/ou imagens-tempo".)

O Seminário Conexões chega em 2017 a sua sétima edição. Desde 2009 o evento propõe proliferações com o pensamento do filósofo Gilles Deleuze em interseções as mais inusitadas. Embora nosso dever seja o de ser intempestivos a nosso tempo, é ele na sua condição de contemporâneo que nos força a pensar. O Antropoceno, como tempo marcado pelas catástrofes, pelas mudanças climáticas e nossa ação irreversível sobre as condições materiais de existência, sobre Gaia; parece que nos joga em direção ao fim do mundo. Um beco sem saída onde a comunicação e educação se tornam cúmplices de nossa miséria. No entanto, não acreditamos no fim do mundo, como um Grand Finale, pois para quem acredita nas potências criativas da vida e do humano, o Novo, sempre advém do fim de um mundo que dá lugar a um outro. O mundo como uma cosmogênese constante. Uma comunicação entendida como multirelacionalidade que se diz potente ao afetar e ao se deixar afetar abrindo novas individuações e transformações na matéria; assim como uma educação como possibilidade de deslocar a aprendizagem para uma condição de ambiências imanentes que colocam o humano e não humano em processos de apreensão, de se apre(e)nderem mutuamente como encontro entre heterogêneos, podem ser os mais potentes aliados para um mundo que se resiste a acabar. É por isso, que este ano o Conexões pretende se jogar em experimentações a partir do conceito de Deleuze e Guattari de Nova Terra. Acreditamos que a infindável procura por reinventar e refazer o mundo, por compor uma nova imagem do pensamento é sempre a procura por uma Nova Terra, por povoar uma e outra vez, por fazer diferir a mecanosfera que não para de afirmar seu des-fundamento como potência criadora e onde uma constelação de conceitos outros emerge e estes fazem contato dando consistência a possíveis e impensadas Cosmopolíticas e Ecologias Radicais. O que pode o humano nos seus devires em tempos de catástrofe? É talvez a pergunta que tem nos des-orientado no pensamento com as mudanças climáticas na Revista ClimaCom - Labjor e no OLHO Laboratório de Estudos Audiovisuais da FE e que nos instiga a querer fazer deste VII Seminário um experimento em estar junto onde modos e lógicas de pensamento as mais díspares e aberrantes façam funcionar o pensamento de Deleuze e Guattari, na vontade de farejar faíscas dos modos como essa Nova Terra, suas Cosmopolíticas e Ecologias Radicais, podem aparecer e… (Fonte: Unicamp)

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Artigo sobre videoHQesculturas em livro internacional


O III Congresso Internacional Red INAV / V Encontro Ibero-americano de Narrativas Audiovisuais rendeu quatro e-books com textos dos apresentadores participantes, editados pela Universidade Nacional de Rosario, Argentina.
Entre os textos publicados está meu artigo "VideoHQescultura: Imagem-Tempo e Visão Táctil", escrito em coautoria com minha orientadora no PPGACV-UFG, Rosa Berardo, nas páginas 384 a 394 do livro 1, "Cinema, Arte e Narrativas Emergentes", organizado por Denis Renó, Marcos "Tuca" Américo, Antonio Francisco Magnoni e Fernando Irigaray. Clicando na imagem a seguir é possível baixá-lo no formato PDF:



A seguir, os endereços de download dos outros três livros do evento:



 

Mais informações em mobilabresearch.wixsite.com/redinav2016br

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

HQforismos (2016)

www.hqforismo.com/#!hqforismos-originais/su87b     www.hqforismo.com/#!hqforismos-originais/su87b 

Prévias de histórias em quadrinhos de uma só imagem realizadas com textos de Tamiris VazGian Danton, como participação no projeto editorial de Edgar Franco chamado HQforismo. Segundo Edgar:
HQforismo é um subgênero genuinamente brasileiro dos Quadrinhos Poético-filosóficos e que foi batizado por Edgar Franco e Danielle Barros para designar as HQ’s reflexivas, filosóficas, poéticas e autorais de apenas uma página. Para dar continuidade a esse trabalho, o blog foi criado para difundir o conceito, mostrar algumas obras produzidas, descobrir outros autores e divulgar as entrevistas feitas com os artistas dessa área.
Mais informações em www.hqforismo.com

O trabalho feito em parceria com Gian Danton participou da exposição coletiva HQforismos, dentro do III Fórum Nacional de Pesquisadores em Arte Sequencial (III FNPAS), ocorrido entre 21 e 23 de outubro na Faculdade de Artes Visuais da UFG.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Desencaixes (com Tamiris Vaz, 2016)

www.instagram.com/tami_vaz www.instagram.com/tami_vaz 

Registros de algumas intervenções realizadas na cidade de Goiânia, em conjunto com Tamiris Vaz, utilizando a técnica do lambe-lambe. 

Mais informações e imagens em www.instagram.com/tami_vaz

quarta-feira, 2 de março de 2016

REfluxo - Festival experimental de Arte (2016)


 https://media.giphy.com/media/3o7abnGHnKOEDb3RHa/giphy.gif
7 e 8 de abril, Vila Cultural Cora Coralina - GoiâniaProgramação e registros no link: www.facebook.com/refluxofestival
Registros também em instagram.com/explore/tags/refluxofestivalexperimentaldearte/

Refluxo é um festival de artes pensado sob o mote da liberdade e da redenção. É inspirado no festum fluxorium; no Grupo Rex e na suprassensorialidade de Helio Oiticica. Uma forma de canalização de energias não-opressivas. Refluxo é uma proposta de atividades criativas como devir das vivências das poetipotências critico-criativas. Refluxo é promover acontecimentos poéticos-urbanos, celebrar as forças dionisíacas da experiência-limite e a negação da arte como estetização da vida. Refluxo é anti-arte, é utopia pura.
Em 2016, comemoramos 100 anos de Cabaré Voltaire, lendário reduto da anti-arte dadaísta. Alunos e professores da Faculdade de Artes Visuais da UFG propõem um ambiente dedicado a livre experimentação das linguagens. O Festival Refluxo, criado a partir da pura vontade expressiva, está aberto a todos com trabalhos que questionem ou satirizem o contexto atual em que vivemos. (Fonte: www.facebook.com/events/1744329645804292

Entre os vários trabalhos participantes do festival estão meu vídeo "A Quem" e a intervenção urbana de Tamiris Vaz "Onde cabe o que transborda da cidade?".

www.academia.edu/22443563/A_Quem_uma_videoHQescultura www.instagram.com/tami_vaz


terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Exposição {Entre} em Anápolis (2015-16)

Adriana Mendonça, Dustan Oeven, Fábio Purper, Guilherme martins, Helder Amorim, Joana Darc de Souza, Luciene Lacerda, Nayara Monteles, Santiago Selon. de 4/12/2015 a 15/01/2016.

A segunda edição da exposição coletiva {ENTRE} aconteceu em Anápolis, na Galeria Antônio Sibasolly, entre 4 de dezembro de 2015 e 19 de fevereiro de 2016 (o encerramento foi prorrogado). Com curadoria de Anahy Jorge e Eliane Chaud.

A videoHQescultura "A Epopeia do Dr. Tergiverso" esteve presente dentro de uma séria de esculturas em ferro e papel que compõem minha participação na mostra.



Acesse o Catálogo da exposição e outras imagens (tivemos como vizinha a mostra "Catadores", dos artistas mineiros Leandro Gabriel e Daniel Moreira)

Registros da abertura (Fotos também disponibilizadas pelo facebook da galeria):





terça-feira, 22 de setembro de 2015

Publicação na CdiR 8 e 1/2



A história em quadrinhos de duas páginas "A Cria do Enforcado", com desenho meu e roteiro de Carlos Francisco Moraes, foi publicada na revista Camiño di Rato 8 e 1/2, editada em Goiânia por Matheus Moura. Abaixo a capa da revista e seu texto de divulgação:

Camiño Di Rato(CdiR) # 8 e meio - Capa por Guilherme E. SilveiraEis aqui uma coleção de absurdos. Feitos com o intuito de provocar, questionam a existência e até mesmo a morte. Brincam com a linguagem dos quadrinhos ao ponto da mensagem se tornar abstrata e revelam que HQs podem ser bem mais do que uma sequência narrativa de quadro. Elas são também o que surge dentro da mente do leitor – ou seja, algo único e indefinido. Bem-vindos a mais uma trilha deste nosso camiño di rato.



Pedidos por email: caminhodirato@gmail.com

  

Serviço:
Camiño di Rato 8 e ½ - ISSN 2176-8595 -Formato: A5 -Páginas: 48 -R$: 6,00 
Autores: Beto Martins, Carlos Francisco Moraes, Décio Ramírez, Edgar Franco, Fábio Purper Machado, Gazy Andraus, Gian Danton, Guilherme E. Silveira, Jefferson de Lima, Joniel Santos, Jorge Del Bianco, LAD Arts, Matheus Moura, Paulo Fernando, Rodrigo Nemo, Vinicius Posteraro, Zé Wellington.
 Página da publicação: tokadirato.blogspot.com

sábado, 22 de novembro de 2014

A Epopeia do Dr. Tergiverso (2014)

Fábio Purper Machado, "A Epopeia do Dr. Tergiverso", videoHQescultura, 2014.


VideoHQescultura em ferro, papel e tela. Participação na exposição coletiva {ENTRE}: Processos Poéticos.


Fábio Purper Machado, "A Epopeia do Dr. Tergiverso", videoHQescultura, 2014.   Exposição {ENTRE} Processos Poéticos

No mesmo dia da abertura, às 15h, ocorreu a inauguração do novo prédio do Media Lab - UFG.
Mais notícias em www.fav.ufg.br e culturavisual.fav.ufg.br

sábado, 31 de agosto de 2013

"Narrativas do Grotesco Cotidiano" na Mostra "Passageiros" (2013)

Fábio Purper Machado, "Narrativas do Grotesco Cotidiano"

De 21 a 30 de agosto de 2013 o MASM sediou a Mostra Passageiros, em parceria com a Galeria Mamute e com curadoria de Débora Aita Gasparetto, contando com uma narrativa minha em vídeo, "Narrativas do Grotesco Cotidiano" e trabalhos de outros sete artistas: Anelise Witt, Angelo Bissacotti Brum, Cristiano Lenhardt, Eduardo Montelli, Mirieli Costa, Paula Witeck e Rafael Berlezi.

Fábio Purper Machado, "Narrativas do Grotesco Cotidiano" Fábio Purper Machado, "Narrativas do Grotesco Cotidiano"

Visite a página da extensão virtual da exposição, com os vídeos na íntegra: mostrapassageiros.wix.com/passageiros

A seguir alguns trechos do texto curatorial, por Débora Aita Gasparetto (versão completa no link acima):
A mostra Passageiros levou a videoarte para dentro do MASM (Museu de Arte de Santa Maria - RS). A mostra foi uma realização da Galeria Mamute, com o apoio do PPGART/UFSM, Labart e do PPGAV/UFRGS. Esta foi a primeira, de uma série de mostras de Videoarte, que acontecerão no Rio Grande do Sul, a partir de um projeto colaborativo proposto pela Galeria Mamute, ativando espaços culturais, artistas e curadores. Em paralelo à mostra no espaço expositivo do MASM, que aconteceu de 21 a 30 de agosto de 2013, a exposição virtual segue aqui, possibilitando o acesso permanente pela rede, confira! A proposta é construir uma narrativa pautada nas questões críticas que permeiam o trabalho dos artistas selecionados, todos jovens artistas gaúchos.
[...] 
Fábio Purper Machado, com as Narrativas do Grotesco Cotidiano (2012), também se interessa pelos meios de comunicação e pelas sociedades de controle. O artista, que tem um sólido trabalho em narrativas com fotografias de esculturas, as chamadas HQ-Escultura, nesta oportunidade transporta para o vídeo suas críticas. Primeiramente, ele baseia-se em Deleuze para demonstrar que as prisões estão para além das celas, invadindo o cotidiano, e na sequência, em “Claustros”, temos a imposição de outra temporalidade, aquela ditada pelo artista, ao ritmo das “cavernas” contemporâneas de controle e dos sujeitos, cada vez mais, “aparelhados” que tentam “transpor seus limites”.

A exposição noticiada no Jornal do Almoço (RBS): globotv.globo.com/rbs-rs/jornal-do-almoco/v/voce-conhece-a-videoarte/2776945

quarta-feira, 15 de maio de 2013

(Des)Esperar nos eventos Arte#OcupaSM 2012 e 2013


Coletivo (Des)Esperar existiu junto a uma impecável seleção de artistas locais e internacionais na segunda edição do Arte#ocupaSM, organizado pelo Grupo de Pesquisa em Arte: Momentos-Específicos, que ocorrereu de 28 de maio a 1º de junho na Estação Ferroviária de Santa Maria. 

arte#ocupaSM 2013 - evento internacional - Santa Maria, RS


Fragmentos do Arte#ocupaSM 2013:



arte#ocupaSM - evento internacional - Santa Maria, RS, 2012


E entre 29 de maio e 2 de junho de 2012 o Coletivo (Des)Esperar participou com três intervenções no primeiro Evento Internacional Arte#ocupaSM, também organizado pelo Grupo de Pesquisa em Arte: Momentos-Específicos.
A seguir alguns registros das ações do (Des)Esperar no evento:



"5 dias de intensa convivência artística, apoiada na produção e nas questões que nos servem de solo para pensar a arte a partir deste tempo e espaço específico.

Artistas e pesquisadores da Argentina, Colômbia, Bolívia, Alemanha, São Paulo, Campinas, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre e Santa Maria; apresentando performances, intervenções, pinturas e esculturas, unindo obras multimídia e trabalhos feitos a mão, ocupando um dos prédios da Vila Belga - Patrimônio Histórico, que esteve sem uso definido desde 1997, quando pertencia à Administração da Viação Férrea do Rio Grande do Sul - Brasil."
(Palavras da organizadora, Profa. Dra. Rebeca Stumm sobre o evento)
arte#ocupaSM - texto curatorial por Rebeca Stumm (Santa Maria, RS, 2012)


Mais informações em arteocupasm.wordpress.com.

terça-feira, 30 de abril de 2013

"Os Nomes e seus Homens" na coletiva "Singularidades"



Fábio Purper Machado, Tamiris Vaz
A escultura-HQ "Os Nomes e seus Homens" (feita em parceria com Tamiris Vaz) participou da exposição coletiva Singularidades:

Ana Cláudia Barin, Angelica Neuscharank, Carolina PK, Cheyenne Luge, Constantino Raffo, Daniela Claudia Scaravonatto, Douglas Dorneles, Fábio Purper Machado, Jair Favero, Jean Oliver Linck, Joana Gaviraghi, Jonara Eckhardt, Lenon Carvalho, Lorecy Rossane (Ciza), Luise Aranha, Marcos Souto, Patrick Vicente, Priscila Belmude Cardoso, Rosângela Passos, Sara Huppes, Tamiris Vaz

De 20 a 26 de abril de 2013, no Ateliê da Estação (Gare), Santa Maria, RS.
A exposição teve a participação dos artistas:
Ana Cláudia Barin, Angélica Neuscharank, Carolina PK, Cheyenne Luge, Constantino Raffo, Daniela Cláudia Scaravonatto, Douglas Dorneles, Fábio Purper Machado, Jair Favero, Jean Oliver Linck, Joana Gaviraghi, Jonara Eckhardt, Lenon Carvalho, Lorecy Rossane (Ciza), Luise Aranha, Marcos Souto, Patrick Vicente, Priscila Belmude Cardoso, Rosângela Passos, Sara Huppes, Tamiris Vaz.

sábado, 6 de outubro de 2012

Micronarrativas de Papel (2012)

Fábio Purper Machado, "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012.

Micronarrativas de Papel foi uma exposição individual de esculturas e histórias em quadrinhos, ocorrida no Anexo do Museu de Arte de Santa Maria, RS, entre 10.09 e 05.10.2012.


Fábio Purper Machado, "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012.

Fábio Purper Machado, "Ruído" e "ConDominio", exposição "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012. Fábio Purper Machado, "Libera nos a malo", exposição "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012. 
Fábio Purper Machado, "Sr. Gaiola" e "Café no ConDomínio" , exposição "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012. Fábio Purper Machado, "Filactério", exposição "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012.

Fábio Purper Machado, "Mosquito" e "O Amigo do Santo", exposição "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012. Fábio Purper Machado, "Ruído", exposição "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012. Fábio Purper Machado, "Leveza", exposição "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012.   Fábio Purper Machado, "Filactério", exposição "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012. Fábio Purper Machado e Tamiris Vaz, "Os Nomes e seus Homens", exposição "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012. Fábio Purper Machado e Tamiris Vaz, "Os Nomes e seus Homens", exposição "Micronarrativas de Papel", esculturas-HQ e HQs-escultura, 2012. 

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Idades Contemporâneas (2012)

Fábio Purper Machado, "Então vá!" (videoHQescultura na exposição Idades Contemporâneas, MAC-RS, 2012)


A exposição Idades Contemporâneas, inaugurada no dia 23.08.2012, reúne trabalhos de mais de 60 artistas de diferentes gerações da trajetória da arte contemporânea no RS. Uma das três subdivisões da exposição é a mostra de videoarte chamada CorpoImagem, com curadoria de Paulo Gomes e Marcelo Gobatto. Participei desta mostra com o vídeo "Então vá!", junto a 40 outros artistas, entre eles os colegas da UFSM Mirieli Costa, Carlos DonaduzziRafael BerleziKelly Wendt, Fernando Codevilla e Rebeca StummO período da exposição foi de 23 de agosto a 07 de outubro de 2012, no MACRS, em Porto Alegre (6º andar da Casa de Cultura Mario Quintana, Rua dos Andradas, 736). Após a mostra, os trabalhos foram incorporados o acervo da instituição. 



Abaixo texto retirado da página do MACRS:
Um grande momento contemporâneo 
Mais de 60 artistas apresentando sua visão de mundo, através das suas diferentes gerações 
De 23 de agosto a 07 de outubro de 2012 o Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul inaugura sua mais representativa exposição da programação 2012 “IDADES CONTEMPORÂNEAS“ reunindo nos espaços das Galerias Sotero Cosme e Xico Stockinger, obras de mais de sessenta artistas, cuja produção contemporânea recente virá a incorporar o novíssimo acervo do Museu. A exposição irá contar com intervenções urbanas, vídeos nas redes sociais e filme que Átila Ferrarez e Gabriel Gambá, da GAD'Red– agência que adotou o Museu – criaram sobre o lema: DIFÍCIL É ENTENDER O MUNDO CONTEMPORÂNEO / A ARTE CONTEMPORÂNEA NEM TANTO. Ana Zavadil, Paula Ramos, Paulo Gomes e Marcelo Gobatto são os curadores que integram este ambicioso projeto, para o qual tiveram a liberdade de convidar artistas de diferentes gerações e linguagens.
 Ana Zavadil apresenta em sua proposta curatorial Poéticas em Paralelo artistas que situam o seu intervalo de ação a partir da virada deste novo século: Alexandra Eckert, Ana Flores, Antônio Augusto Bueno, Amélia Brandelli, Bruno Borne, Camila Schenkel, Evenir Comerlatto, Guilherme Dable, Jander Rama, Kátia Costa, Leandro Selister, Leonardo Fanzelau, Marília Bianchini, Rogério Livi e Rogério Severo. As obras escolhidas foram todas concebidas para esta exposição, sem um tema específico, o que se impõe é a poética, pois no cotejo e/ou confronto entre as obras, através desse encontro singular, podemos conferir, comparar e estabelecer novos rumos para a arte contemporânea.
 A curadora Paula Ramos convidou os artistas: Belony, Clóvis Martins Costa, Dione Veiga Vieira, Fábio Del Re, Fernanda Valadares, Frantz, Gonzaga, Julio Ghiorzi, Mariza Carpes, Túlio Pinto, Ubiratã Braga e Wilbert. Diante da Matéria é o título da sua curadoria em que apresentam trabalhos questão entre o racional e o intuitivo, o programado e o casual, o geométrico e o orgânico. Entre a linha e a mancha, a síntese e o excesso, a ordem e o caos. Entre desenho e pintura, pintura e gravura, escultura e desenho, fotografia e pintura. As obras apresentadas nesta exposição exploram diferentes procedimentos e materiais, técnicas e linguagens, gestos e temporalidades, evidenciando o caráter plural da produção contemporânea. Elas também atestam a postura investigativa de seus criadores, artistas que têm problematizado as tradições do campo da arte, suas práticas e conceitos, bem como revisitado suas próprias trajetórias. Diante da Matéria propõe uma experiência entre o espaço, a matéria e o corpo.
 Os curadores Paulo Gomes e Marcelo Gobatto assinam a mostra de CORPOIMAGEM com a novíssima produção em vídeo na arte contemporânea brasileira. Esta mostra apresenta a produção de mais de 40 artistas: Alberto Semeler, Ali Khodr, Amélia Brandelli, Ana Norogrando, André Severo, Bruno Borne, Camila Mello, Carlos Donaduzzi, Chico Machado, Claudia Paim, Clóvis Martins Costa, Denise Gadelha, Diogo Dornelles, Dirnei Prates, Elaine Tedesco, Eny Schuch, Fábio Noronha, Fabio Purper Machado, Fabrício Almeida, Fernando Codevilla, Glaucis de Morais, Isabel Ramil, James Zortéa, Jorge Soledar, Kelly Wendt, Letícia Bertagna, Lizangela Torres, Luiz Roque Filho, Mairon Martins, Manuela Eichner, Marcelo Gobatto, Maria Lúcia Cattani, Mirieli Costa, Nelton Pellenz, Niura Borges, Patrícia Francisco, Rafael Roso Berlezi, Rebeca Stumm, Renato Heuser, Rochele Zandavalli, Romy Pocztaruk e Sandra Rey. São filmes e propostas heterodoxas que tem renovado tanto a produção do que vemos, como a forma dos artistas se relacionarem com o cinema.
 Para celebrar esta nova fase do acervo do MACRS será lançado no Espaço Vasco Prado, agora dedicado a Ação Educativa do Museu, com sessão de autógrafos, o livro da exposição A MEDIDA DO GESTO (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA), que registra o trabalho de curadoria e expografia desenvolvido a partir do acervo do Museu, entre 10 de dezembro de 2011 e 29 de janeiro de 2012, que resultou de uma parceria entre o MACRS e a disciplina Laboratório de Museografia do IA-UFRGS, consistindo em uma proposta de pesquisa e difusão tendo o acervo do Museu como foco de trabalho dos alunos, sob coordenação da Professora Ana Albani de Carvalho. Também no Espaço Vasco Prado será entregue de volta ao público visitante da Casa de Cultura Mario Quintana a escultura do artista Avatar Moraes, cujo projeto de restauro foi coordenado pelo MACRS em parceria com a Associação de Amigos da Casa de Cultura Mario Quintana.
 Com estas atividades o MACRS confirma sua missão de pesquisar, preservar e divulgar a arte contemporânea regional, desenvolvendo propostas educativas que visem à compreensão deste campo da arte em suas várias modalidades, tendo como tarefa principal ser uma instituição que vincule e promova o diálogo entre a grande diversidade de abordagens criativas em artes visuais e as linguagens artísticas contemporâneas em nosso Estado, seguindo em frente rumo a nova sede a ser inaugurada no segundo semestre de 2013 junto ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Algumas ações do (Des)Esperar em 2012


Cafe Pretérito



Imagens da intervenção do Coletivo (Des)Esperar no III QuãoSoante, dia 15 de junho de 2012. 
Mais fotos em des-esperar.blogspot.com

Informações sobre as outras edições do QuãoSoante em www.teatrocandeia.com e facebook.com/teatro.candeia.


Acordarse



Ocorrida nos dias 18, 19 e 21 de julho, no Teatro Vagamundo, na Vila Belga, durante o evento SEDA em Chamas (Semana do Audiovisual Santa Maria).
Mais fotos em des-esperar.blogspot.com




Ressonâncias



Uma exposição de Fotografias do Coletivo (Des)Esperar no Centro Cultural Challenger, no espaço Café Olé. 
De 26 de setembro a 17 de outubro de 2012.

Portfolio no Issuu.com